Entrevista a Fernando Mendes

Fernando Mendes

Polémico. Frontal. Um coração do tamanho do mundo: eis Fernando Mendes.

Cancela, Sporting, Benfica, Porto, Boavista, Estrela da Amadora, Belenenses, Vitória de Setúbal, Montijo e São Marcos… e Internacional A. A Tribuna Leonina foi conhecer o lado mais pessoal de Fernando Mendes.

Guardo dele duas memórias extraordinárias. A primeira, no antigo Estádio de Alvalade, a chorar como uma criança após ter sido expulso, no regresso aos balneários. Sempre assim foi, temperamental. Mas o tempo deu-nos a conhecer outra característica, é genuíno e só quem tem um enorme carácter o é.

A outra memória que tenho é a frase do meu pai que me dizia do Fernando o seguinte, “podia ter sido o melhor defesa esquerdo da Europa, do mundo”.

Liguei ao Fernando há dias e mostrou-se afável e companheiro. É um orgulho tê-lo na Tribuna Leonina.

Vamos conhecer o Fernando, os seus dias, a sua vida e depois falaremos do Sporting. Tem 52 anos, jogou futebol no Sporting, Benfica, Porto, Boavista, Estrela da Amadora, Belenenses, Vitória de Setúbal, Montijo e São Marcos… espero não ter esquecido nenhum clube. Escreveu “jogo sujo”, participou num reality show e neste momento vemo-lo como comentador da CMTV. Nas quatro linhas foi um defesa de eleição, difícil de ultrapassar e tecnicamente evoluído. Foi internacional A.

Boa tarde, Fernando.

É um prazer enorme entrevistar o jogador que me fez vibrar quando era jovem e que colhia tanta simpatia dos associados exigentes mas justos do nosso clube.

Podemos conhecer melhor a pessoa, o seu percurso? Vamos então começar pela pessoa do Fernando.

Reside no Montijo.  Conte-nos como sãos os seus dias.

Acordo sempre muito cedo, a primeira coisa que faço é ir comprar um jornal desportivo, a seguir faço a minha caminhada, almoço, descanso um pouco, e preparo os programas em que participo, ao fim do dia vou ao ginásio e normalmente no meio disto tenho algumas reuniões com o meu amigo Paulo Futre.

Como é a sua vida familiar? Conte-nos um pouco do seu lado mais íntimo e que em regra não é falado.

Igual a de tantos outros portugueses, tenho a minha esposa e com ela sempre que podemos fazemos programas a dois, adoramos cinema e passear e sempre que possível vamos ver o nosso Sporting, como fomos por exemplo a Londres ver com o Arsenal

Além do futebol, quais os interesses do Fernando?

Cinema, estar com amigos, adoro hóquei em patins, praia, teatro e concertos.

Qual o livro que mais gostou?

Jogo sujo

E o filme?

Vários: Alta traição, Gladiador, e Brave Heart.

Gosta de teatro?

Sim

Se lhe perguntasse o local mais bonito que visitou em Portugal o que me diria?

Gerês

E em relação ao estrangeiro, qual o país de eleição?

Estados Unidos e Inglaterra.

É incontornável, você é uma pessoa repleta de carisma. Vamos agora falar um pouco de futebol com incidência no Sporting. Como é a sua relação com os sportinguistas em geral?

Muito boa, sempre assumi o meu amor ao Sporting

Costuma dar um saltinho até Alcochete?

Vivo em Alcochete, por isso sempre que posso vou visitar a Academia para ver os jogos.

Vou voltar ao carisma. É muito fácil gostar de si porque é genuíno. Na rua, como é? É abordado constantemente?

Com palavras como estas: É isso mesmo vai para cima deles! És um verdadeiro sportinguista!

Quando são adeptos dos outros clubes como deve calcular não são nada simpáticos!

E quando vai a Alvalade?

Sou sempre bem recebido.

O Fernando jogou em grandes clubes nacionais. Costuma ir à Luz ou Dragão? Bessa? De outra forma, além de Alvalade visita estádios que bem conhece?

À Luz nunca fui e nem nunca irei. Ao Dragão já fui várias vezes e fui muito bem recebido.

Vamos agora entrar em “modo futebol”.  Como tudo começou até chegar ao Sporting?

Comecei a jogar num clube do Montijo que se chamava Cancela, treinado pelo pai do Paulo Futre. Fomos fazer um torneio ao Sporting, gostaram de mim, e fui para o Sporting. Mas como a minha estatura era baixa, emprestaram-me ao Montijo. Estive um ano a jogar e a seguir regressei e fiquei até aos 24 anos.

Quando era menino, qual o treinador que mais o marcou?

Dois: Manuel José e Aurélio Pereira

E já agora, como sénior?

Vários, seria injusto mencionar só um.

Voltando aos tempos iniciais. Como descobriu esse dom para o futebol?

Não sei, pois sempre me vi com uma bola.

Os estudos ficaram para trás ou continuou a estudar paralelamente ao futebol? Conte-nos um pouco da sua vida real desse tempo.

Sim, pois não conseguia conciliar os estudos com os treinos. Porque nessa altura os treinos eram em Alvalade e até lá tinha um percurso de duas horas e meia, pois não é como hoje; naquela altura tinha que andar de vários transportes, barco, metro e autocarro.

Treinava em Lisboa. Como era na época, apanhava o barco de manhã e depois regressava à noite?

Sim

Em que ano celebrou o seu primeiro contrato profissional?

1984

Agora que passaram muitos anos, pode dizer-nos o valor ou é segredo?

Quarenta contos.

Jogar no Sporting… sentir Alvalade… lá dentro… consegue descrever?

Consigo, é das melhores sensações vestir aquela camisola e jogar naquele estádio com os meus ídolos e ser sportinguista é e foi fantástico.

O meu pai disse-me que o Fernando podia ter sido o melhor defesa esquerdo da Europa e do Mundo. O meu pai não estava enganado. Mas quero perguntar-lhe com toda a abertura, o que impediu de o ser quando tinha tudo para o ser?

Acho que fiz uma carreira a nível nacional fantástica, nunca tive empresário, joguei sempre onde quis, mas o meu feitio rebelde talvez me tenha traído.

Fernando, se tivesse uma Academia com as condições que hoje existem… onde teria chegado?

Não consigo imaginar não fazer aquela viagem diária para ir treinar, o esforço e ao mesmo a satisfação de estar em Alvalade.

Jogou no Porto, no Benfica… rivais do Sporting. Como geriu?

Como profissional de futebol, temos de honrar sempre a camisola que vestimos.

Sabe que gerou muitos amargos no peito de pessoas como a que o entrevista… vê-lo de azul ou vermelho doeu….

Normal, mas nesta profissão nem todos podem jogar no clube do seu coração.

Atualmente é comentador. Há quem goste e quem não goste, como tudo na vida. Como prepara os programas?

Com muita seriedade, profissionalismo e sempre na defesa do meu Sporting, e mais importante de tudo, tenho voz própria.

No dia seguinte – que não o programa – sente reações dos seus comentários?

E de que maneira, há vários sítios que não posso frequentar.

Alguns antigos jogadores regressaram ao Sporting e à Academia. Na minha opinião há um lugar à sua espera. Abra o coração, gostava de regressar à sua casa?

Já estou em minha casa, porque estou a defender o clube do meu coração.

Fernando, a Tribuna Leonina é um projeto recente. Antes de mais, mil obrigados por ter acedido a esta entrevista. Por outro, como sportinguista, como vê estes meios de apoio ao Sporting como este nosso site feito por sportinguistas?

É fantástico ver a vitalidade e o amor que têm a este clube, é pena que nem todos utilizem esta ferramenta para o bem do Sporting.

A equipa da Tribuna Leonina deseja-lhe um excelente 2019 e agradece-lhe muito este tempo que nos dedicou.

Obrigado Fernando Mendes, craque dentro e fora das quatro linhas.

Close Menu